FaceApp: changes your face, but are your data safe?


13. November 2019
Categories
Allgemein

Por Maria Sol Porro, advogada de marcas e professora universitária 
 
O novo filtro que permite aos usuários envelhecer seus rostos fez com que o FaceApp fosse, por um lado, o número um em downloads e o centro das atenções por outro. O sinal de alerta disparou quando foi descoberto que o aplicativo não notifica em nenhum momento que as fotos são processadas na “nuvem”. Quando uma foto é enviada para que os rostos pareçam mais velhos, mais jovens ou de outro sexo, o aplicativo a envia para um servidor que processa o arquivo e o retorna para nós com o retoque desejado, dando acesso aos dados a todas as assinaturas do grupo russo ”Wireless Lab”, o proprietário do FaceApp, bem como às empresas desconhecidas que se tornam “afiliadas”.
No entanto, é importante notar que a maioria das redes sociais que usamos tem termos de uso e privacidade muito semelhantes. Nesse sentido, o Wireless Lab argumentou que a maioria das fotos enviadas é excluída de seus servidores em 48 horas. Os especialistas acreditam que o problema adicional com esse tipo de aplicativo é que ele força o usuário a fornecer muitos dados pessoais por meio de termos genéricos que aparecem na Internet. Também é normal que esses termos não incluam nada sobre as atuais regulamentações de proteção de dados, coletadas pelo Regulamento Geral de Proteção de Dados, nem sobre o que a lei exige que inclua.
O FaceApp, disponível para iOS e Android, explica que não aluga ou vende as informações de seus usuários para terceiros fora do FaceApp (ou o grupo de empresas do qual o FaceApp faz parte) sem o seu consentimento, mas, por sua vez, expõe que eles podem compartilhar as informações do usuário, sem o consentimento explícito, com organizações de terceiros que os ajudam a fornecer o serviço. Mais uma vez, o famoso aplicativo não estaria totalmente em conformidade com os requisitos em vigor no Regulamento Geral de Proteção de Dados no caso da UE.
Neste contexto, o FaceApp reconhece que estão trabalhando para melhorar a qualidade deste serviço, em seu último comunicado. No entanto, ele não atualiza suas condições de uso desde 2017, obrigando o usuário a procurá-las no site. Isso significa que quase ninguém procura consultar quais informações serão compartilhadas com o aplicativo e qual será o uso que será feito delas. Diante dessa realidade, o debate acima nos faz pensar: se um serviço é gratuito na internet, somos o cliente ou somos o produto que é vendido?
 
Fonte: www.abc.es

Share